NOTÍCIAS

Sistema Imunana-Laranjal volta a operar e abastecimento de água para São Gonçalo, Niterói e região será retomado

O Sistema Imunana-Laranjal voltou a captar e tratar água às 22h42 desta sexta-feira (5/4). A operação havia sido interrompida na manhã de quarta-feira (3/4), após a identificação da substância química tolueno no canal de Imunana, onde é feita a captação de água. A previsão é de que a produção da Estação de Tratamento (ETA) chegue a 100% nas próximas 5 ou 6 horas. A distribuição da água até os consumidores finais será feita pelas concessionárias Águas do Rio e Águas de Niterói, que atendem a região.

 O tratamento da água pôde ser retomado após um trabalho realizado pela força tarefa montada pelo Governo do Estado que fez o isolamento e sucção do composto químico tolueno na região onde é feita a captação de água. Até o fim do dia já haviam sido retirados 160 mil litros de água com o produto dos canais às margens do Rio Guapiaçu, em Guapimirim. A mobilização envolveu as secretarias de Estado do Ambiente e Sustentabilidade, da Polícia Civil, da Polícia Militar, o Instituto Estadual do Ambiente (Inea), a Cedae, a Petrobras e as concessionárias Águas de Niterói e Águas do Rio.

No fim da noite, os exames – que vinham sendo realizados pelo Laboratório Biológico de Rastreamento Ambiental (Libra) a cada uma hora, desde que foi constatada a contaminação – mostraram que a água atingiu os parâmetros de potabilidade adequados para consumo humano.  Os níveis de tolueno foram reduzidos de 59 para menos de 30 microgramas por litro. A resolução Conama 357 permite 2 microgramas por litros e a Portaria de Potabilidade 888 permite 30 microgramas por litro.

Depois disso, as amostras ainda passaram pelo crivo dos sommeliers, técnicos especializados em avaliar a qualidade da água. Tanto os testes do Libra quanto as análises do sommeliers serão mantidas ao longo de toda a noite de sexta-feira.

O Sistema Imunana-Laranjal é responsável pelo abastecimento de cerca de 2 milhões de pessoas em Niterói, São Gonçalo, Itaboraí, parte de Maricá (Inoã e Itaipuaçu) e na Ilha de Paquetá.

O governo continua investigando a origem da contaminação. A Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA) abriu inquérito para apurar os responsáveis pela presença do poluente na água.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo